Por Dra. Daniele R. Chacon Moro

Todo mundo conhece alguém que sofre ou já sofreu com doenças relacionadas ao coração. Mais de 350 milhões de pessoas morrem por ano, em todo o mundo, de patologias como infarto e AVC. Apesar disso, a gravidade do problema não é evidenciada na mídia ou, pelo menos, não está nas conversas corriqueiras sobre saúde. Por isso, falar sobre como prevenir doenças cardiovasculares é tão importante.

Os dados são ainda mais alarmantes. A cada 2 minutos, uma pessoa não resiste a problemas como esse. Isso quer dizer que as doenças cardiovasculares matam duas vezes mais do que qualquer outro tipo de câncer, duas vezes e meia mais do que qualquer acidente ou ato de violência e cerca de seis vezes mais do que infecções.

Ficar atento aos fatores de risco, então, é essencial. Alguns deles não podem ser modificados, como idade e sexo, mas há outros que sim e, nesse caso, é possível prevenir doenças cardiovasculares mudando alguns hábitos. Os chamados fatores comportamentais, como a obesidade, o fumo, o sedentarismo, a má alimentação e doenças como pressão alta, diabetes e colesterol são exemplos de quadros que podem ser controlados.

Os 4 principais fatores de risco das doenças cardiovasculares

Fumo e Álcool: Fumar aumenta em 30% as chances de um ataque cardíaco e amplia cerca de 200 vezes as chances de se ter um AVC. Além de prejudicar os pulmões, o cigarro agride substâncias naturais do coração e faz com que as artérias fiquem mais vulneráveis ao acúmulo de gordura. O ato de fumar atrapalha, igualmente, o mecanismo de contração e relaxamento do órgão, dificultando a circulação sanguínea. O fumante também passivo corre esses riscos. Já o álcool não é proibido, mas seu consumo precisa ser moderado. O excesso pode levar a problemas como a insuficiência cardíaca.

Estresse: O estresse também é um fator de risco. Quem sempre vive em estado de tensão libera hormônios que podem acelerar demais os batimentos cardíacos ou piorar quadros de hipertensão. A recomendação é que a prática de atividades ao ar livre e o maior contato com a natureza façam parte da rotina. Outra dica importante é dar mais atenção aos sinais do corpo. É necessário dormir as horas necessárias para um sono completo, ter mais convívio social e fazer pausas necessárias ao longo do dia.

Má alimentação: Sua rotina de alimentação deve sempre incluir frutas, verduras e legumes, categoria de alimentos ricos em fibras e vitaminas que agem como antioxidantes, substâncias protetoras da saúde cardiovascular. Castanhas, amendoins, nozes e sementes, fontes de ômega 3, outra substância cardioprotetora, também devem estar no cardápio.

É muito importante realizar as 3 refeições principais todos os dias, além de diminuir o consumo de carnes vermelhas, carboidratos simples e alimentos industrializados. Tudo isso ajuda a prevenir doenças cardiovasculares. Consultar periodicamente seu médico e nutricionista é a chave para receber orientações mais adequadas ao seu caso.

Sedentarismo: Praticar atividades físicas reduz em 14% as chances de manifestar doenças cardiovasculares. Apesar do ideal ser diariamente, exercitar-se pelo menos 5 vezes por semana, 30 minutos ao dia, já é o suficiente. Mesmo que você não tenha tempo para grandes práticas, o objetivo é sair do sedentarismo. Com pequenos hábitos, como preferir as escadas aos elevadores e estacionar o carro um pouco mais longe para andar mais, é possível mudar o estilo de vida.

Você pode prevenir doenças cardiovasculares por si só, mas cabe lembrar que o acompanhamento médico é indiscutível: deve acontecer! Faça o check-up com periodicidade e, sempre que estiver preocupado com algum sintoma ou risco, pergunte, consulte e investigue com o seu profissional de confiança.

CRM: 113.644

Graduação: Unifenas

● Titulação: Cardiologista pelo Hosp. Beneficência Portuguesa
● Ecocardiografista pelo Hospital Bandeirantes
● Membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia
● Membro da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo